Lançamento Boitempo: “A luta de classes”, de Domenico Losurdo

Recién lanzado. Un autor cálido, me pareció. Tuve la oportunidad de exponerle el caso de Puerto Rico en un cuestionamiento sobre la agenda política cuando converge la lucha de clases y la independencia. Muy claro en su breve respuesta, a la que de paso trajo la lectura de Marx sobre la situación de Irlanda como colonia inglesa: “Siempre hay que evaluar la forma en la que el dominio se expresa, ya no sólo en la clase sino también en el territorio. La “cuestión social” se entreteje con la “cuestión nacional”, ninguna pudiendo ser resuelta de modo separado. La lucha asume diversas características según los momentos en que se expresa y lo mismo sucede con el colonialismo. Opino que la luchas de clases debe ser usada en plural (luchas de clases), porque así trasciende el empleo de un slogan, para atender diferencias como esta. Infelizmente, aún no he estado en Puerto Rico” -agregó tristemente.

Blog da Boitempo

A luta de classes_capa_alta Capa de A luta de classes, de Domenico Losurdo. Arte de David Amiel, sobre cartaz de Karl Maria Stadler para o Dia Internacional da Mulher (1914) e fotos de Raúl Corrales Forno, “La Caballeria” (1959), Museo de la Revolución, Havana, Cuba, e de Daniel López García, “Podemos” (2015).

A Boitempo acaba de lançar o livro A luta de classes: uma história política e filosófica, do marxista italiano Domenico Losurdo. Depois de seu aclamado A linguagem do império: léxico da ideologia estadunidense, Losurdo se volta para o conceito e a prática da luta de classes e sua atualidade diante da atual crise econômica que se alastra, e provoca: “é certo que a luta de classe tenha de fato desaparecido?”

Para Losurdo, a luta de classes não é somente o conflito entre classes proprietárias e trabalho dependente. É também a “exploração de uma nação por outra”, como denunciava Marx, é…

Ver la entrada original 532 palabras más

Anuncios

Mil y una cosa que he aprendido en Brasil

El tiempo se acaba. Hoy me sentaba con mis colegas brasileños para compartir un “frango à passarinho”(chicharroncitos de pollo) y una porción de arroz. Intercambiábamos expresiones sobre una conferencia a la que acabábamos de asistir en conmemoración de los cien años de la Revolución Rusa. Con su buen humor y su impresionante cerebro para el registro de la historia y sus vericuetos, Netto nos narraba las lecciones de dicha revolución, una historia que si bien fue grandiosa, así de grandes fueron sus errores, una historia que hoy se honra por ser una hazaña de la humanidad con la cautela suficiente como para no reproducirla. Tertuliábamos cuando de repente, sin antesala, una especie de alegría y deleite, me arrebató la expresión. La colega frente a mi lo percibió, y antes de que me preguntara en qué andaba mi cabeza, decidí compartirles todas las reflexiones que cabían en esa sonrisa de fascinación que recogía un millar de reflexiones. Lo que dije debió sonar mas o menos así: “Para mi ha sido una experiencia tan importante como fascinante estar aquí. Ustedes, tal vez no tienen como percibirlo, pero su forma de hablar y entender el mundo dista mucho de lo que he aprendido hasta ahora. Me siento muy feliz con esa diversificación en mi aprendizaje. Las clases, las conversaciones, los textos a leer, han sido cosas muy innovadoras para mi. Para mi ha sido un reto lingüístico en dos direcciones, por un lado el portugués y por otro la gramática de su formación e ideología. He descubierto una fascinación por el estudio de lo social que me tiene bien cautivada. Claro que en la academia tuve acceso a algunas de las obras que aquí se leen desde mi bachillerato, como por ejemplo a Gramsci y Marx. Sin embargo, mi formación fue en geografía y cooperativismo; salvo raras excepciones -como Harvey- no tuve acceso a un conocimiento crítico en términos de una lectura materialista-histórica de la sociedad. No tomen esto de forma simple, claro que podría analizar fenómenos sociales a la saciedad, sin embargo cada investigación me dejaba con más preguntas que respuestas. Un buen proceso de investigación siempre las generaría, sin embargo, cuando repasaba el tipo de preguntas, percibía que había aspectos fundamentales que no me quedaban claros; aspectos filosóficos, políticos, subjetivos sobre la lectura de la realidad. En parte no me preocupaba mucho no tener esa experiencia en la academia, pues mediante el trabajo político tuve acceso a la filosofía de la praxis. En realidad, más que discutir en el vacío lo social, siempre he priorizado el debate al calor de mi contexto, “embarrándome las botas”. En ese sentido, la academia ha pasado a ser parte complementaria de mi formación, siendo el trabajo político mi espina dorsal. Claro que, en medio del activismo, comprometerse con la disciplina necesaria para la erudición, encuentra demasiada competencia. Tener un espacio de estudio profundo, de lectura, de marcar los libros, de hablar de eso constantemente, de participar, de errar, de volver al tema, como ha sido mi experiencia aquí en brasil este semestre, ha hecho que le tome un gusto especial al hábito de profundizar la realidad y las raíces de los problemas sociales. Este proceso no hubiera sido la mitad de llevadero sino sintiera una gran afinidad con el pensamiento marxista, que aquí confirmo como uno no homogéneo y hasta contrariado en sus diversas corrientes tanto teóricas como prácticas. Es definitivo que, independiente de lo que pase con la huelga recién decretada en la universidad, mi experiencia ya ha sido completa; practiqué el idioma, conocí el programa graduado en la UFRJ, tengo conmigo la literatura de todos los cursos, he participado en clases, he determinado la línea de mis futuros estudios, he creado el hábito y estoy documentando para mis colegas cómo es el mambo del Trabajo Social aquí. No dudo que tendré enormes desafíos a mi regreso, después de todo la forma de leer el mundo no es algo que se puede apartar de forma tan fácil como lo es quitarse un par de espejuelos, y qué bueno que así sea. Pronto regreso a Puerto Rico a hacer mi práctica y con certeza me toparé con escenarios en los que los análisis que aquí he aprendido a hacer serán desafiados. Por lo pronto me siento inquieta, tanto a nivel intelectual como de voluntad, y con que ese estado se sostenga en mi quehacer profesional no dejaré de caminar hacia las respuestas que me permitan entender cómo se ha construido el mundo y desde dónde podrían forjarse relaciones sociales contestatarias. Así que todo eso me llevo, colegas.” Ahora que lo pienso, sonaba a despedida y tal vez por eso me miraban con embeleso. Después de todo, no han sido pocos los intercambiamos que han caracterizado nuestros encuentros como tampoco lo que han conocido sobre mi Isla y sus realidad político, social, económica y cultural. Se ha forjado una camaradería especial, razón por la cual me atreví a compartirles mis impresiones, para que entendieran mi contexto, de dónde vienen mis silencios, mis participaciones y lo duro de poder expresarme muchas veces, ya no solo por el idioma sino por su gramática. Terminamos la comida y dividimos la cuenta. Cuatro amigos identificaban sus respectivos taxis. Si bien el barrio de Lapa estaba más apagado que de costumbre, una boricua regresaba a su hospedaje con el corazón más encendió que nunca. Esa boricua era yo

. IMG_8046 IMG_0668

DCIM100GOPROGOPR0203.

IMG_1263 IMG_1380 IMG_0637

IMG_0851

IMG_0710 DCIM100GOPROGOPR0161.

Quem é Tito Kayak?

 Na história da humanidade, a ilha de Puerto Rico tem brilhado em várias ocasiões: pelo crime, pelos artistas ou pelos esportistas. Tem brilhado também pelas paisagens afrodisíacas e quando ganhou a reputação de ser o país mais feliz do mundo. Ninguém questionaria esse assunto aí se desse uma olhada ao calendário anual e visse os dias feriados. Na verdade, sempre temos pretextos demais para comemorar qualquer evento. Mas a fama não descansa só na dança e a garrafa, herdadas dos espanhóis. Os porto-riquenhos têm sacudido o mundo ocupando os espaços de mais controvérsias. No álbum das lembranças políticas mundiais há dois eventos que posicionaram a ilha no mapa e ambos aludem à mesma pessoa: Alberto de Jesus Mercado ou Tito Kayak.

 Tito nasceu em 1958 em Jayuya, Puerto Rico. Quando era criança foi Boy Scout”. Isto implica que se criou num movimento impulsionado pelo governo dos Estados Unidos dirigido ao desenvolvimento de crianças reverentes, obedientes e disciplinadas com a nação, neste caso a nação americana. No entanto, Tito virou numa fruta inesperada e de conservador não teve nem um fio de cabelo. Arranhou a consciência ambiental no próprio escotismo e tornou-se em contra do governo invasor. Dedicou sua responsabilidade cívica à denuncia da presença ilegal dessa nação na ilha e às atrocidades que cometeu.

 Ganhou o apelido pelo jeito engenhoso que utiliza para escapar dos cenários internacionais e nacionais nos que faz seus reclamos. O primeiro ato dele foi subir ao topo da Estátua da Liberdade e pendurar as bandeiras de Porto Rico e Vieques para chamar a atenção sobre a luta dos porto-riquenhos e o uso de Vieques como uma base militar. Numa outra ocasião foi preso em Israel por ter subido numa torre de comunicação e içado lá uma bandeira palestina em solidariedade com aquele povo e a luta da Faixa de Gaza. Também esteve sete dias no topo da torre de construção na ilhota de San Juan para impedir a privatização da costa capitolina, patrimônio cultural do povo.

Tito na Estatua da Liberdade, Nova Iorque

Tito na Estatua da Liberdade, Nova Iorque

Tito na Palestina

Tito na Palestina

Tito no Paseio Caribe em Porto Rico

Tito no Paseio Caribe em Porto Rico

Agora, ele trabalha como eletricista. Como personagem do povo, também representante da indignação nacional, é sempre esperado nas diversas manifestações. Sua ousadia é o orgulho daqueles que simpatizam com suas causas. Louco? Suicida? Herói? A verdade é que Tito nunca deixará de nos surpreender. Em Porto Rico temos pessoas muito famosas: artistas, atletas e políticos. Tito tem um pouco de todos eles.

 Atualmente, ele planeja  sua  mais corajosa aventura, uma kayakada atraves do Mar Caribe en nome da liberação dum prisioneiro político porto-rriquenho chamado Oscar López Rivera. Esteativista pela independencia foi encarcerado pelo governo dos Estados Unidos há 31 anos. Tito andará de kayak desde Venezuela até Porto Rico, lembrando aquela rota utilizada pelos indígenas arahuacos que migraram à ilha caribenha há váios séculos. Levará uma  mensagem clara e direta, exigir a liberação de Oscar.

Oscar López Rivera

Oscar López Rivera

Rota do Kayak

Rota do Kayak

Waste Land

Waste Land é um documentário dirigido por Lucy Walker lançado em 2010. A peça, produzida por Angus Aynsley e Hank Levine, recolhe as experiências em um dos locais de menor consciência que se tem no mundo; os aterros. Para expor ao mundo essas histórias, o artista e colecionador dessas experiências, Vyk Muniz decidiu se insertar no aterro principal de Rio de Janeiro, melhor conhecido como Jardim Gramacho. Sua missão era visitar e trabalhar numa coleção de fotografias criadas a partir de materiais encontrados lá. A surpresa foi encontrar uma comunidade de pessoas que trabalhavam e moravam naquele espaço.

  O documentário de renome internacional expõe a situação dramática da comunidade de catadores (as) de lixo. O trabalho deles consiste de escolher do lixo aqueles materiais recicláveis que possam  vender; papelão, vidro, plásticos, madeira, livros, etc. Em suas próprias vozes, falam dos cenários terríveis que se deparam diariamente, particularmente no momentos em que as favelas estão em guerra e se topam com cadáveres dessas guerras. O artista relata as histórias pessoais de pelo menos 6 catadores (as). Esses personagens são fotografados pelo artista aos fins de construir peças de arte baseadas nas fotografias. A técnica consiste em projetar a fotografia sobre um tecido branco e gigante. A projeção é a guia que utilizam artistas e catadores para decorar os contornos com diferentes tipos de lixo e sujeira. A reação deles ao ver o produto final faz que valga a pena cada fio de cabelo que se para.

 

 Acho que o trabalho do artista reflete a inexistência de limites quando de arte se trata e o potencial que tem para transformar a realidade. Transformam-se os personagens ao perceber, através deste trabalho, um outro modo de vida e novas formas de comunicar as suas experiências ao mundo. Transforma-se o artista quando, imerso nessa realidade, cria novos sentidos para ela. Transforma-se o mundo que recebe essas inovadoras expressões artísticas ligadas à justiça social. Transforma-se o espectador quando assiste  todas essas transformações num filme que logra que jamais se pense lixo da mesma forma. O documentário tem bem merecido a variedade de prémios ganhos pelo ataque interdisciplinar ante una complexa realidade; a arte, a poluição ambiental, o trabalho, a organização da comunidade, o movimentos social, a reivindicação e a transformação da realidade. Que mais se poderia pedir?

C de Consuelo

Se há alguém que tem morada na memória coletiva dos e das “boricuas” essa é a sensível e férrea Consuelo Lee Corretjer. Ela nasceu em Santurce e foi a sétima filha numa família de dez. Seus pais, bispos muito conservadores, foram incapazes de compreender como seus próprios ensinamentos sobre os princípios da justiça foram os que a levaram a abraçar a causa nacionalista pela independência, e, eventualmente,  o Partido Comunista. Dois eventos em 1930, influenciaram seu pensamento: A guerra civil espanhola e a prisão dos nacionalistas porto-riquenhos. Foi então que ela começou sua obra de libertação.

Seus esforços dirigiram-se para atividades educativas que promovessem o ensino do patrimônio nacional, tirado do currículo nas escolas públicas nacionais. Infelizmente, sua escola foi fechada pelas autoridades estadunidenses em seus esforços para destruir o movimento de independência da ilha. Muitos e muitas lembram dela por ter sido a esposa de Joao Antônio Corretjer, poeta revolucionário de igual importância, mas a história dela merece um lugar próprio. Ela estudou pintura, arte e música e considerou a possibilidade de ser uma pianista de concerto. Tudo mudou quando entrou ao cenário da luta política.

Além de se recusar a reconhecer as eleições controladas pelos Estados Unidos de América, ela e seu marido rejeitaram qualquer assistência do governo, tais como bem-estar e segurança social. Consuelo foi mantida com a dignidade de seus parcos recursos, aceitando doações de roupas e uso livre da casa onde ela morava. Sua vida foi mais dedicada ao serviço do que a autogratificação. Ela estava disposta a viver pela fé, em vez de depender da caridade do invasor.

Apesar de um ataque cardíaco, a dona Consuelo continuou a levar para a frente até sua morte o idealismo político, a publicação de seus livros e a transformação de sua casa num santuário que inspirasse a causa de liberação. Existe um livro dela que ganha muita relevância aqui por ser a causa da minha inspiração para escrever o livro que tem em suas mãos; é o Abecedário Patriótico. Ela criou a peça para educar as crianças sobre aspectos de nossa cultura, a importância de cuidar nossa Ilha e de lembrar nossos lutadores. Para ela vai a dedicatória desta publicação.

Nosso país não esquece

do muito que te deve.

É claro que nos move

o exemplo de tua vida.

Você diz que recém nascida

enorme excitação causou.

Ante toda nossa dor,

você nós segue confortando.

E teu povo celebrando

os cem anos de Consuelo.

 

-Milagros Ortiz

2da edição do Abecedário Patriótico

B de Bandeira

Num ardente esforço o oceano deu origem a um povo. Entre colinas verdes esse povo tem conseguido sobreviver para preservar suas paisagens, seus tesouros, suas aventuras, seus amigos, sua historia e sua identidade. O povo nunca esteve sozinho; sempre acompanhou os caribenhos e latino-americanos. Acontece que na América os povos têm lutado com frequência e aqueles que quiseram ter mais território oprimiram e apagaram muitas culturas. A arrogância desses povos não lhes permitia entender a importância da diversidade. Algumas lutas têm sido tão longas que os povos têm precisado de herdeiros e herdeiras especiais, imortais, que os defendam. Esse foi meu caso.

Em 1895, o povo que eu engendrei, confiou para um nativo o trabalho de prolongar a identidade patriótica num vestido indestrutível. Só os nativos, responsáveis pelo tecido, iam saber o jeito de destruí-lo. O guardariam com ciúme para que não fosse roubado ou virado.  O traje teria poderes mágicos. A cor branca sempre os estimularia a lutar pela paz de sua terra. Se alguém morresse na defesa, seu sangue vermelho ganharia um espaço no vestido. Ali o povo teria que trabalhar forte para garantir que as outras cores não ficassem apagadas. O vestido também tinha pedaços de cor azul. Estes seriam vitais porque fariam que o povo lembrasse da liberdade, a igualdade e a fraternidade. Sempre que tivesse azul o povo estaria seguro. Se perdiam o azul ou branco, ficariam vulneráveis à forças estrangeiras que quisessem destruir seu tesouro. O tecedor demorou dois anos em terminar o tão ansiado traje e a peça foi revelada no povoado de Yauco.

Em 1898, enquanto subsistia a colonização, o povo ganhou um novo invasor, diferente e talvez mais poderoso do que o anterior. O invasor foi muito sagaz com seu esplendor e seu charme. Ele, membro também da América, não quis conviver em sana camaradem com seus vizinhos. Achava que era tão grande e poderoso que podia controlar tudo, roubar tudo, incluindo o vestido do povo que oprimia. A invasão foi súbita. Apressaram em calabouços habitantes e consciências que lembravam da invasão.  No ano 1950, no povoado de Guánica o povo tentou-se defender com o vestido. Foram muitos os que acudiram na defesa dele, mas o vestido ficou todo sanguentado com a vida daqueles. Isto fez diminuir o azul e o branco no tecido. Como os invasores tinham  reprimido a memoria histórica, quase até sufocá-la, os nativos e nativas começaram a esquecer a magia do texido. Esqueceram do trabalho que podiam fazer, esqueceram como limpá-lo e deixar expor as outras cores. Porém, nem tudo estava perdido.

Os habitantes que ainda lembravam a mágica do tecido tiveram uma grande ideia. Acharam que podiam reparar o vestido e adicionar-lhe tela. Não tirariam o vermelho. Essa cor lembrava-lhes dos bravos combatentes, lutadores e lutadoras. Decidiram construir a esperança, adicionar-lhes pedaços brancos. O intruso continuou a avançar mas o vestido continuava dando força e, quanto mais pessoas se arroupavam com ele, mais força recebiam.

O tecido foi um pouco esmagado em 1937 numa massacre em Ponce. Uma nativa não deixou que o tecido tocasse o chão. Esse era o segredo da força e sempre aparecia quem o levasse posto. Num ponto, em 1948, um estudante o levou para a universidade e foi assassinado por um inimigo que gostava de atacar consciências livres como aquela. No pensamento de muitos, nunca faltaria a branca esperança na luta. A consciência podia ser manchada de vermelho mas nunca ser presa nas masmorras. Isso acreditavam os imortais frutos do meu seio. Em Jayuya, outro imortal desafiou ao invasor chamando de República à Ilha. Elevou para o céu a sagrada e potente peça. Nesse momento império atacou o pedaço sagrado. Os imperialistas não sabiam o que fazer com ele; não conheciam os segredos do vestido. Eles tentaram persuadir as mentes dos habitantes para tirar a energia que o vestido proporcionava.

Uma simples mudança e o caráter da Ilha diminuiria para sempre. Esse vestido tinha sido capaz de defendê-los. O inimigo achava que ao mudá-lo tornaria a história à sua vantagem e conseguiu. Teceram uma história diferente da heroica. As listras vermelhas já não representavam a liberdade que imortalizava aqueles que defenderam o país. Invadindo a memória e as lembranças de luta, o inimigo se tornaria mais forte. Tanta foi a tortura e os danos, causados que conquistaram seu objetivo. A identidade que o povo tinha perdeu seu verdadeiro caráter. Ao mudar os significados das cores a população ficou numa espécie de limbo.

Os imortais continuaram educando e construindo o caminho da reconstrução da memória. Em 1954, uma nativa pisou o solo dos inimigos e em nome do vestido gritou muitas verdades ao mundo. Em 1977, outro patriota levou a peça até a Estátua da Liberdade em Nova Iorque. Era essa a terra que impedia a liberdade e autodeterminação de muitos povos. Embora em 1995 o pedaço azul foi mudado novamente, de azul escuro para outro azul, jamais lograria representar o céu limpo que lhe deu origem.

Como deveria ser confiado aos herdeiros e herdeiras da terra, esse vestido, o original, sempre os defenderia. Também defenderia aos milhares e milhões de irmãos e irmãs que acreditaram em seus valores. Ainda que ninguém conheça esta historia, eu guardei ela para todas as consciências que acreditem na sua liberação. Na minha caixa de tesouros guardo o doente conto da nossa colonização. Eu me chamo Porto Rico, ilha em luta desde sempre e esta foi a história de nossa bandeira, essa que deveria ondear livre e soberana.